Raul Cânovas: paisagista argentino que adotou Brasil diz que bem-estar está acima da beleza

Raul Cânovas: paisagista argentino que adotou Brasil diz que bem-estar está acima da beleza

  

 

 

 

Quando o assunto é paisagismo a estética dos harmoniosos jardins vem logo à cabeça da maioria das pessoas. Mas para o veterano paisagista Raul Cânovas um projeto vai além do belo. Aos 73 anos de idade e 60 de carreira, o argentino radicado no Brasil desde 1970 conduz seu trabalho, que já soma 3 mil projetos, buscando resgatar o bem-estar e conforto que estes ambientes de contemplação e reflexão tiveram no passado.

 

"Meu trabalho não intenta meramente a estética. Minha missão é devolver um pouco da felicidade perdida. Resgatar um pouco do que fomos perdendo ao longo dos anos [...] Os jardins sempre tiveram muita importância na vida do ser humano desde tempos remotos. O que faço é fazer as pessoas se sentirem melhor nesses ambientes”, diz Cânovas, que define seu trabalho como mais emocional e menos estético. 

 

 

 

 

 

Nascido em Buenos Aires e filho de paisagista, se apaixonou pelo Brasil quando começou a frequentar o país como turista. Mesmo com uma carreira bem-sucedida na Argentina, não hesitou em deixar sua terra natal e mudar-se para cá, principalmente depois de incentivado pelo maior nome do paisagismo nacional. “Sempre fui encantado pela receptividade do brasileiro e o clima do país, mas foi Burle Marx quem deu o empurrão final quando me convidou para trabalhar com ele no Rio de Janeiro”, revela.

 

Uma das grandes preocupações de Raul é a importância que o paisagismo tem para a construção do bem-estar de uma sociedade. “O paisagista tem de procurar algo que traga solução para o impacto urbano, pois podemos conduzir a sociedade ao paraíso perdido. O que tem ficado claro é que o mundo fora dos centros urbanos nos deixa felizes”. Por isso, mesmo apaixonado pelo Brasil, não poupa críticas quando se refere ao pouco apreço dos governantes brasileiros com a questão. “Não vou falar nem da Europa, o Brasil está muito atrasado em relação a países como Chile, Argentina e Uruguai. O que fica claro é que a arborização urbana tem importância superficial na agenda dos prefeitos. E o pouco que se faz se faz é pensando no lado estético e não nos muitos benefícios”, desabafa.

 

Cânovas desaprova também como os chamados paredões verdes estão sendo construídos em metrópoles como São Paulo. “No Brasil não é tendência, é modismo”, afirma, categórico. “Paredes verdes não são novidade no mundo, seus objetivos são levar conforto acústico e climático pra ambientes internos de grandes cidades. O que se fez na 23 de maio, por exemplo, tem apenas objetivo estético, apesar de haver exceções em muitos projetos, é claro. E se a questão era estética, para isso já tínhamos os grafites”, avalia o paisagista, referindo-se ao chamado corredor verde instalado pela gestão João Dória (PSDB) na Av. 23 de maio, importante via da capital paulista.

 

  

 

 

Apesar do vasto portfólio, o paisagista diz que o mais importante é aquele que consegue levar algo a mais a quem usufrui do espaço. Nem sempre é uma residência, mas um hospital ou ambientes corporativos. “Não existe nada mais relaxante que as pessoas durante o almoço terem a oportunidade de contemplar um espaço verde com flores, isto é revigorante”. 

 

Em primeiro lugar, antes de se fazer um jardim é preciso saber o objetivo do cliente com esse espaço. Segundo o profissional, não basta fazer por fazer. Um jardim sensorial, por exemplo, exercita quatro dos sentidos do ser humano: o tato, por meio de espécies com texturas variadas; a audição, a partir do canto dos pássaros ou barulho das águas; o olfato, devido ao perfume de algumas espécies, além da visão do todo e das cores em geral.

 

Apaixonado por seu trabalho, Raul Cânovas segue na ativa sem planos de aposentadoria. Além dos projetos paisagísticos, investe na carreira de escritor colaborando para jornais, blogs e revistas especializadas no tema. É autor de dois livros, “O Jardim como Remédio” e “Um Jardim para Sempre”, e ministra cursos e palestras sobre paisagismo em todo o Brasil.

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

Club&Casa Design

Por

Club&Casa Design

Drywall permite obra rápida, limpa e racional

Drywall permite obra rápida, limpa e racional

  *A foto de abertura acima é do Teatro Mariinsky, na Rússia   Agilidade na execução, controle de orçamento, melhor gestão dos materiais e organização no canteir...

Movelarias de planejados investem em estratégias para garantir segurança a consumidores

Movelarias de planejados investem em estratégias para garantir segurança a consumidores

    Quem compra móveis sob medida se planeja para ter a casa dos sonhos e não para dores de cabeça. Mas fato é que no país, a cada ano, cresce o número de reclamações...

Lojas especializadas em colchões garantem sono tranquilo

Lojas especializadas em colchões garantem sono tranquilo

      Passamos um terço de nossas vidas dormindo e, por isso, prestar atenção onde se passa a noite é fundamental para evitar uma série de problemas de saúde, que vão da...

LED: de coadjuvante a protagonista do mercado na velocidade da luz

LED: de coadjuvante a protagonista do mercado na velocidade da luz

* imagem meramente ilustrativa: design de Marcel Wonders - Moooi   O crescimento da iluminação por LED no Brasil sempre foi tratado por especialistas como caminho sem volta. Tendência irreversível qu...

Versáteis e bonitas, esquadrias de alumínio precisam seguir normas técnicas

Versáteis e bonitas, esquadrias de alumínio precisam seguir normas técnicas

    Utilizadas em larga escala no Brasil, as esquadrias feitas de alumínio possuem múltiplas vantagens, que vão da durabilidade, leveza e resistência à corrosão até os bem-vin...

Empresas especializadas: o segredo da reforma sem dor de cabeça

Empresas especializadas: o segredo da reforma sem dor de cabeça

    Reforma de casa é sonho de muitos que acaba virando pesadelo de alguns. Isso porque repaginar o lar requer organização e planejamento para evitar surpresas desagradáveis que vão muito...